Usando as miras telescópicas (parte final)

sniperfight

As variações de vento são bem complexas e para um atirador de elite esse é o grande desafio, mas para o paintball essas contas são inúteis, eu vou passar rápido sobre esse assunto para não deixar a matéria técnica demais, o vento influencia muito nas bolinhas de paintball, porém é muito difícil calcular sua variação dentro de um ambiente de jogo, isso se dá pelo fato das bolinhas não serem idênticas e do gás ser instável, logo cada bolinha tende a reagir de uma forma distinta, por isso que mesmo se o marcador estiver travado em uma posição e for efetuado 10 disparos em um alvo a uma distância média
Você terá pelo menos 6 pontos de impacto diferentes, a variação no paintball é impossível de se calcular com exatidão, muito menos por esse método que conta com o peso e o empuxo exatos de cada arma e de cada munição…

Classificação do vento

O vento representa o maior problema para o sniper, o efeito que o vento tem sobre o projétil aumenta com a distância, isto é devido, principalmente, à diminuição da velocidade da bala combinado com um maior tempo de vôo, isso permite que o vento tenha um efeito maior sobre a bala conforme a distância aumenta, o resultado é uma perda de estabilidade.

O Sniper deve saber o efeito que o vento terá no projétil, ele deve ser capaz de classificar o vento e para isso o melhor método é a utilização do sistema de relógio com o atirador no centro do relógio e o alvo em 12 horas, são atribuídos os valores: completo, metade, e nenhum valor ao vento, valor completo significa que a força do vento terá um efeito completo sobre o vôo da bala, estes ventos vêm de 3 e 9 horas, metade significa que um vento com a mesma velocidade, mas a partir de 1,2,4,5,7,8,10 e 11:00 vai passar para a bala apenas a metade da força de variação de um vento de valor completo e por fim nenhum valor significa que um vento de seis ou doze horas terá pouco ou nenhum efeito (lateral) sobre o vôo da bala.

wind1

Antes de ajustar a mira para compensar o vento, o sniper deve determinar a direção do vento e velocidade, ele pode utilizar alguns indicadores para isso, podem ser “bandeiras” como trapos ou roupas em um varal, fumaça, árvores, grama, a chuva e a própria sensação de tato.

Um método comum de estimar a velocidade do vento é assistir a “bandeira”, o sniper determina o ângulo entre a bandeira e o pólo, em graus, em seguida, divide pelo número 4 constante, o resultado dá a velocidade aproximada em quilômetros por hora.

wind2

Se nenhuma bandeira é visível, o sniper pode usar grama ou papel, ou algum outro material leve solto ao nível do ombro, então ele cai, basta apontando diretamente para o local onde ele cair dividir o ângulo entre o corpo e o braço pelo número 4.
angulo
Outro método muito usado para determinar vento é com a miragem, uma miragem é um reflexo do calor através das camadas de ar a diferentes temperaturas e densidade, o sniper pode ver a miragem, desde que haja uma diferença de temperaturas do solo e do ar, para ver esta miragem o sniper deve concentrar sua luneta sobre um objeto no mid-range, em seguida, coloque o escopo de volta para a meta sem reajustar o foco, a miragem parece se mover com a mesma velocidade que o vento, exceto quando soprando as 6 ou 12 horas, em seguida, a miragem fica com a aparência de movimento em linha reta para cima sem movimento lateral, Isto é chamado “Mirage de ebulição” em geral mudanças de vento de até 12 mph podem ser facilmente determinada pela observação da miragem.

miragem

Conversão da velocidade do vento a minutos de ângulo

Todas as miras telescópicas militares têm ajustes windage, variação de vento, que são formados em minutos de ângulo ou fração, um minuto de ângulo é 1/60 de um grau, o snipers vai usar minuto do ângulo (MOA) para determinar e ajustar a elevação e variação lateral necessário para a mira, depois de encontrar a direção do vento e a velocidade em MPH (milhas por hora), o Sniper deve, então, convertê-lo em MOA usando a seguinte fórmula.

Distância (sem os dois últimos zeros) x velocidade (MPH)dividido pela constante, resultará na MOA*

A constante depende da faixa de alvos:
100-500 metros “c” = 15
600 metros “c” = 14
700-800 metros “c” = 13
900 metros “c” = 12
1000 metros “c” = 11

Exemplo, se você tem um alvo a 700 metros, a constante será 13, e a velocidade do vento é de 10 mph, então a conta será:

7 X 10 / 13 = 5,3 moa*

*(para um vento valor integral, se médio basta dividir o resultado por 2)

1812181_03_leupold_mark_4_lr_t_3_5x_10x40_640

Para variações de ventos as 6 e 12 horas a conta é a mesma porém dividindo por 4, o resultado será a variação em metros para mais com vento a favor ou menos com vento contra

7 X 10 / 4 = 17,5

Ou seja com vento a 10mph a favor, com a mira zerada em 700 metros, o projétil tende a cair 17,5 metros a frente do alvo, e se for vento contra faltará 17,5 metros para que atinja o alvo
Esta fórmula só é utilizada como ponto de partida, prática e um bom livro de dados são os as ferramentas finais…

Ajustes no corpo da mira

Todas as miras tem ajuste padrão, muito dificilmente você encontrará uma mira com os ajustes trocados ou invertidos, no básico o esquema é esse…

M107_scope

As melhores miras trabalham com um sistema de clics, cada clic representa uma unidade de medida, no ajuste horizontal (windage) 1 clic representa 0,5 minuto de ângulo, no ajuste de variação vertical 1 clic representa 0,1 mil, dessa forma é possível trabalhar e calcular com valores exatos de ajuste, esses valores por clic podem variar de acordo com o alcance da mira.

Bônus

Eis o tão esperado caderno de anotações lol

As seguintes paginas devem ser usadas para registro da sua grade de disparos e mesmo headshots devem ser anotados para controle.

Anotações
1. Data
2. Tipo de munição
3. Numero de tiros efetuados hoje
4. Total de acertos por carregador

snip_rec

Observações
1. número da folha/folhas usadas
2. Seu nome (caso o livro seja compartilhado)
3, Data e hora ( para referência de condição de luminosidade)
4. Localização
5. numero do evento (visitas ao campo/posição) de tiro
6. tempo de duração do evento
7. descrição do evento
8. o que foi feito (como foram feitos os disparos, suas condições físicas e psicológicas, e observações gerais)

observ

SKETCH
1. Descrição do terreno
A. Configuração do terreno
B. Vegetação
C. Estradas
D. Construções
E. Outros obstáculos
F. 3 Dimensões
G. Distância da sua posição
2. Desenho do alvo de sua perspectiva
3. Nome do sketch (baseado no item mais proeminente na mira)
4. Sua localização
5. Condições do tempo
6. Direção do norte
7. Número do sketche
8. Seu nome
9. Data

sketch

RANGE CARD
Isso é muito importante e sempre que possível deve ser preenchido para um melhor aproveitamento na troca de alvos

1. o semi-círculo maior representa os objetos mais próximos a você, e o menor representa seu limite de tiro
2. Na tabela abaixo você deve registrar o tipo de objeto e a distância até sua posição.
3. Anote o máximo de informações possíveis para um maior aproveitamento de seus pontos de referencia, incluinto tempo e clima.

rangec

Alvo fixo
Usado para treino, posteriormente pode ser usado para cruzar informações quando em situações de tiro similares.
1. Distância até o alvo (pode-se usar uma página diferente para cada alvos).
2. Numero do lote da munição.
3. Condição de iluminação.
4. Vento
5. Temperatura
6. Tempo
7. Para alvos pequenos faça um desenho de onde você costuma colocar o centro da mira.
8. Desenhe uma seta indicando a direção da luz.
9. Desenhe uma seta indicando a direção do vento
10 Na tabela de tiros numerada:
A. Anote as variações laterais e de altura
B. Após cada tiro marque um ponto onde estava a mira antes do disparo para comparação com a perfuração do projétil.
11. No alvo grande na direita:
A. Marque o local do acerto.
12. No topo você deve anotar a direção usada e a direção correta, para altura e variação lateral.
* as mesmas informações serão usadas para a ficha de alvos móveis, sendo acrescido o números de disparos necessários para cada acerto, e para a direção do movimento do alvo destacando se o atirador é destro ou canhoto.

stati
move

essas páginas podem ser repetidas quantas vezes achar necessário, desde que o caderno não fique grande demais, no final acrescente páginas em branco para anotações e contas extras, esse caderno é usado em treino e levado a campo de forma que é possível ter acesso rápido as variações e situações treinadas para comparação com o cenário de batalha e também pode se comparar e manter anotadas as informações de cada disparo em campo.

Espero ter agradado, bons jogos e fair play😀

Tags:, , , ,

About Artista

Eu corro como um pato loco

One response to “Usando as miras telescópicas (parte final)”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: